Resenha: A Revolução dos Bichos de George Orwell

Título: A Revolução dos Bichos  
Autor: George Orwell 
Gênero: Distopia
Editora: Companhia das Letras  
Páginas: 152
Ano: 2007

Compare preços
Classificação: 4/5

Sinopse: Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, 'A Revolução dos Bichos' é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stalin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, a obra passou a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell repetiria o mesmo gesto anos mais tarde com seu outro romance 1984, finalizado-o às pressas à beira da morte para que o mesmo service de alerta ao ocidente sobre o horrores do totalitarismo comunista. É irônico que o escritor, para fazer esse retrato cruel da humanidade, tenha recorrido aos animais como personagens. De certo modo, a inteligência política que humaniza seus bichos é a mesma que animaliza os homens. Escrito com perfeito domínio da narrativa, atenção às minúcias e extraordinária capacidade de criação de personagens e situações, A revolução dos bichos combina de maneira feliz duas ricas tradições literárias: a das fábulas morais, que remontam a Esopo, e a da sátira política, que teve talvez em Jonathan Swift seu representante máximo.

Olá pessoal, tudo tranquilo? Vamos falar de um dos meus escritores preferidos?

Eric Arthur Blair (1903–1950), mais conhecido pelo pseudônimo George Orwell, foi um escritor e jornalista inglês. Sua obra é marcada por uma inteligência perspicaz e bem-humorada, uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e uma paixão pela clareza da escrita.

Considerado talvez o melhor cronista da cultura inglesa do século XX, Orwell se dedicou a escrever resenhas, ficção, artigos jornalísticos polêmicos, crítica literária e poesia. Ele é mais conhecido pelo romance distópico “1984” (1949) e pela novela satírica “A Revolução dos Bichos” (1945).

A Revolução dos Bichos é um romance satírico que narra uma história de corrupção e traição e utiliza a figuras de animais para retratar as fraquezas humanas e criticar o "paraíso comunista" proposto pela Rússia na época de Stalin.

A revolta dos animais da Granja do Solar contra os seus donos humanos é liderada pelos porcos Bola de Neve e Napoleão. Os animais tomam posse da fazenda com o objetivo de instituir um sistema cooperativo e igualitário, sob o slogan “Quatro pernas bom, duas pernas ruim”, ou seja, tentam criar uma sociedade utópica, porém Napoleão, seduzido pelo poder, afasta Bola de Neve e estabelece uma ditadura tão corrupta quanto a sociedade de humanos.

Para o autor, um socialista democrático e membro do Partido Trabalhista Independente por muitos anos, a obra é uma sátira à política stalinista que, segundo sua ótica, teria traído os princípios da Revolução Russa de 1917.

Um dos principais pontos que se pode analisar sob uma ótica voltada à administração é o clima organizacional da Granja Solar. O clima organizacional é a qualidade do ambiente que é percebida ou experimentada pelos participantes da empresa e que influencia o seu comportamento. É aquela "atmosfera psicológica" que todos nós percebemos quando entramos num determinado ambiente e que nos faz sentir mais ou menos à vontade para ali permanecer, interagir e realizar. Num primeiro momento, quando há a expulsão dos humanos e o controle da fazenda passa a ser dos animais, a moral do grupo está elevada, o clima organizacional ótimo, pois eles estão trabalhando sob a égide de uma sociedade democrática e sem exploração. Assim como aconteceu na revolução russa essa utopia dura pouco. A mudança de estilo de liderança dos porcos que abandonaram a democracia pela autocrática coercitiva se utilizando dos cachorros como força de policia. A excomunhão dos dissidentes, a reescritura da história, os julgamentos espetaculares e as execuções em massa. Todos esses paralelos com a revolução russa solapam o clima organizacional da granja, além de haver reclamações trabalhistas, retrabalho, desperdício, perdas diversas, roubo de mercadorias, líderes sem compromisso.

A compreensão de uma obra, seja literária ou cinematográfica, possui várias camadas. A camada mais superficial é a interpretação da trama do livro, ou seja, a luta dos animais da Granja Solar pela liberdade que é conseguida, e, logo após serem traídos e oprimidos por seus pares. As camadas mais profundas necessitaram de conhecimentos históricos da revolução russa, de conhecimentos da teoria das relações humanas para o leitor de “A Revolução dos Bichos” conseguir fazer as analogias e observar os pontos expostos nessa resenha.

A leitura da obra é fluída. Talvez por causa da utilização de animais pode se ter a ideia de ser uma fábula infantil, mas a complexidade da obra é notória podendo comportar várias camadas de interpretação. O tema é mais bem explorado e aprofundado por Orwell em seu livro mais famoso “1984”. O clima de opressão, a traição, as mentiras dos líderes, a população utilizada somente como força de trabalho e a guerra fazem parte desse romance distópico.

P.S. Fiz essa resenha na época da faculdade pra ganhar horas complementares (HAHA).

No mais, até o próximo post.



2 comentários:

  1. Rafael!
    É um dos melhores escritores contemporâneos e nessa obra, o paralelo com a raça humana e o comportamento que temos, nossas reações e nossos problemas, mostra na realidade que a obra, nada tem de infantil.
    Bom domingo!
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Sou louca por esse livro. Meu professor de história disse que é muito bom.

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails